• Dr. Rafael Noronha Cavalcante

Salve o útero: o papel da embolização de miomas na preservação uterina

Atualizado: 12 de abr.


Todos os dias, milhares de mulheres sofrem silenciosamente com a dor e o sangramento causados por miomas uterinos. Os miomas são tumores benignos do útero, encontrados em mais da metade das mulheres adultas e em até um quarto das vezes podem causar sintomas, situação em que passa a ser indicado algum tipo de tratamento.


Um estudo recente (Go e cols, 2020), avaliando o impacto psicossocial dos miomas uterinos, observou que a qualidade de vida de mulheres com miomas sintomáticos era similar ou pior do que a de portadoras de doença cardíaca, diabetes e até mesmo câncer de mama. Já em um outro estudo (Borah e cols, 2013), onde foi realizado um questionário com quase mil mulheres portadoras de miomas, os resultados demonstraram que cerca de 30% delas já perderam pelo menos um dia de trabalho por causa dos sintomas e aproximadamente 25% sentem que estes sintomas impedem que consigam atingir seu potencial profissional. Estes estudos nos demonstram o quão devastadores podem ser os miomas, principalmente para mulheres que padecem por longos períodos com dor e sangramento.


No entanto, no mundo todo, o tratamento tradicional dado a estes casos pode custar à mulher seu útero. Sabe-se que a cirurgia mais realizada para o tratamento dos miomas uterinos ainda é a histerectomia, que consiste na retirada cirúrgica do órgão. A boa notícia é que a medicina evoluiu, e já existem técnicas de tratamento muito menos invasivas e que permitem, com frequência, a manutenção do útero.


Dentre estas opções, destaca-se cada vez mais a embolização das artérias uterinas, uma técnica realizada por cateterismo, onde são ocluídos os vasos que nutrem os miomas, reduzindo seu volume em torno de 50%. A embolização é menos invasiva, exige menor tempo de internação e de recuperação do que a histerectomia e é eficaz na resolução dos sintomas em mais de 90% das pacientes. Estudos com seguimento mais longo evidenciaram que mais de 70% das mulheres submetidas à embolização vão conseguir preservar os seus úteros após 05 a 10 anos da realização do procedimento.


Se isso não fosse motivo suficiente para se buscar opções alternativas à histerectomia, um estudo recente que acompanhou por mais de 20 anos mulheres submetidas ao procedimento demonstrou que elas evoluíram com risco aumentado de hiperlipidemia, hipertensão, obesidade e arritmias cardíacas em comparação a mulheres que mantiveram seus úteros. Quando a histerectomia foi realizada com menos de 35 anos de idade, as pacientes passaram, inclusive, a apresentar riscos muito mais aumentados de insuficiência cardíaca e doença coronariana ao longo da vida (Laughlin-Tommaso e cols, 2018).


Chama a atenção, entretanto, que apesar dos inegáveis benefícios oferecidos pela técnica de embolização das artérias uterinas, poucas mulheres a conheçam. Em 2017, a Sociedade Americana de Radiologia Intervencionista realizou uma pesquisa com mais de mil mulheres e evidenciou que mais de 60% delas jamais tinha ouvido falar no procedimento como uma opção para o tratamento dos miomas e que entre aquelas que conheciam a técnica, mais de 70% descobriram sobre ela por outras fontes que não os médicos com os quais faziam acompanhamento. Em nossas clínicas esta história também se repete, sendo comum atendermos pacientes para as quais a histerectomia foi a única proposta e que, por querer preservar o útero, acabaram pesquisando e descobrindo por conta própria sobre a opção de realizar a embolização.


Esta realidade precisa mudar, pois é um direito da mulher receber informações completas sobre as diversas opções disponíveis de tratamento para sua condição. Todas as opções, entre elas histerectomia, miomectomia e embolização, tem suas indicações e contraindicações, suas vantagens e desvantagens, seus benefícios e potenciais complicações. Cabe ao médico informar adequadamente a paciente, para que ela possa fazer parte do processo de decisão e escolher a técnica que melhor se adeque à sua realidade individual.



Artigo escrito pelo Dr. Rafael Noronha e publicado originalmente no Portal Papo de Mãe, do UOL: https://papodemae.uol.com.br/noticias/salve-o-utero.html



Quem somos?


O Dr. Rafael Noronha é Cirurgião Vascular, com especialização em Cirurgia Endovascular e Radiologia Intervencionista, atuando na área há mais de 10 anos. Tem uma atuação voltada para procedimentos minimamente invasivos e ampla experiência com embolização de miomas uterinos.


Possui uma formação diferenciada, com Doutorado pelo Hospital Albert Einstein, residência de Radiologia Intervencionista e Cirurgia Endovascular no Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP (HC FM-USP) e estágio no Hospital St. George's, em Londres.


Apresenta título de Especialista em Cirurgia Vascular pela Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular (SBACV) e título de Especialista em Radiologia Intervencionista e Cirurgia Endovascular pelo Colégio Brasileiro de Radiologia (CBR).


É membro da diretoria da Sociedade Brasileira de Radiologia Intervencionista e Cirurgia Endovascular (SOBRICE) e membro da Cardiovascular and Interventional Radiological Society of Europe (CIRSE).


O Dr. Rafael é presença frequente como palestrante em congressos e foi Presidente do Congresso da SOBRICE em 2019. É autor de mais de 30 artigos científicos publicados em revistas internacionais, diversos capítulos de livro e editor do volume de Cirurgia Endovascular da coleção de livros da SOBRICE.


No momento, estamos atendendo consultas presenciais ou por telemedicina.

Para agendamento de consultas, por favor entre em contato, será um prazer poder ajudar!

Telefone (11) 94529-6697 ou (11) 2096-5616

WhatsApp (11) 94520-6697​


114 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo